O Jovem, a Sexualidade e o Namoro

O que é sexualidade?

Teoricamente, a sexualidade assim como a conhecemos, inicia-se juntamente à puberdade ou adolescência, o que deve ocorrer por volta dos 12 anos de idade (Art. 2º – Estatuto da Criança e do Adolescente). Entretanto, em prática, sabemos que não se configura exatamente desta forma. Dependendo do modo como é usufruída, ela tanto pode produzir resultados positivos quanto negativos, seja na área biológica, sociológica, psicológica ou espiritual.

A noção de sexualidade como busca de prazer, descoberta das sensações proporcionadas pelo contato ou toque, atração por outras pessoas (de sexo oposto) com intuito de obter prazer pela satisfação dos desejos do corpo, entre outras características, é diretamente ligada e dependente de fatores genéticos e principalmente culturais. O contexto influi diretamente na sexualidade de cada um.

Muitas vezes se confunde o conceito de sexualidade com o do sexo propriamente dito. É importante salientar que um não necessariamente precisa vir acompanhado do outro. Cabe a cada um decidir qual o momento propício para que esta sexualidade se manifeste de forma física e seja compartilhada com outro indivíduo através do sexo, que é apenas uma das suas formas de se chegar à satisfação desejada. Sexualidade é uma característica geral experimentada por todo o ser humano e não necessita de relação exacerbada com o sexo, uma vez que se define pela busca de prazeres, sendo estes não apenas os explicitamente sexuais.

Deus criou a sexualidade no homem e na mulher para despertar neles a vontade de unirem os seus corpos e saciarem os seus desejos mais íntimos. A sexualidade mata no homem a fome de intimidade que ele tem.

O sexo é bom e santo quando exercido no contexto apropriado. Mas o sexo não é tudo na vida. Jesus deve ter o primeiro lugar em nossa vida. Ele nos guia nas decisões, antes e depois do casamento. Deus nos dá padrões a seguir, e promete que nos guiará.

O Sexo é para um relacionamento saudável

O sexo não é somente algo físico em que usamos o corpo. Nossa sexualidade determina nosso relacionamento com o sexo oposto. O sexo não nos foi dado somente para satisfazer os desejos e as necessidades físicas. É um meio de experimentar uma comunicação íntima entre marido e mulher. Esse é um meio de conhecer um ao outro, compartindo os pensamentos, sentimentos e emoções.

A bíblia nos ensina o que acontece na união sexual. Quando há união dos corpos, à vista de Deus, esses dois se tornam uma só carne. O ato sexual é somente reservado exclusivamente para o parceiro matrimonial. Da forma contrária será prejudicial. Noplano de Deus o cônjuge deve ser tratado “de modo santo, com respeito, e não com paixão sensual, como fazem os incrédulos, que não conhecem a Deus”.

Namoro

Quando escolhemos a pessoa errada?

1. Você escolhe a pessoa errada porque espera que ele/ela mude depois do casamento.

O erro clássico. Nunca despose um potencial. A regra de ouro é: Se você não pode ser feliz com a pessoa como ela é agora, não se case. Como disse, muito sabiamente, um colega meu: “Na verdade, pode-se esperar que alguém mude depois de casado… para pior!”

Portanto, quando se trata da espiritualidade, caráter, higiene pessoal, habilidade de se comunicar e hábitos pessoais de outra pessoa, assegure-se de que pode viver com estes como são agora.

 

2. Você escolhe a pessoa errada porque se preocupa mais com a química que com o caráter.

A química acende o fogo, mas o bom caráter o mantém aceso. Esteja consciente da síndrome “Estar apaixonado”. “Estou apaixonado” freqüentemente significa “Sinto atração física.” A atração está lá, mas você averiguou cuidadosamente o caráter dessa pessoa?

Aqui estão quatro traços de personalidade para serem definitivamente testados:

Humildade: Esta pessoa acredita que “fazer a coisa certa” é mais importante que o conforto pessoal?

Bondade: Esta pessoa gosta de dar prazer aos outros? Como ela trata as pessoas com as quais não tem de ser agradável? Ela faz algum trabalho voluntário? Faz caridade?

Responsabilidade: Posso confiar que esta pessoa fará aquilo que diz que fará?

Felicidade: Esta pessoa gosta de si mesma? Ela aprecia a vida? É emocionalmente estável?

Pergunte-se: Eu desejo ser como esta pessoa? Quero ter um filho com esta pessoa? Gostaria que meu filho se parecesse com ela?

 

3. Você escolhe a pessoa errada porque vocês não partilham metas de vida em comum e prioridades.

Existem três maneiras básicas de nos conectarmos com outra pessoa:

1. Química e compatibilidade

2. Partilhar interesses em comum

3. Compartilhar o mesmo objetivo de vida

Assegure-se de que você compartilha o profundo nível de conexão que objetivos de vida em comum proporcionam. Após o casamento, os dois crescerão juntos ou crescerão separados. Para evitar crescer separado, você deve entender para que “está vivendo” enquanto é solteiro – e então encontrar alguém que tenha chegado à mesma conclusão que você.

Esta é a verdadeira definição de “alma gêmea.” Uma alma gêmea tem o mesmo objetivo – duas pessoas que em última instância compartilham o mesmo entendimento ou propósito de vida e, portanto possuem as mesmas prioridades, valores e objetivos.

 

4. Você escolhe a pessoa errada porque logo se envolve sexualmente.

O envolvimento sexual antes do compromisso de casamento pode ser um grande problema, porque muitas vezes impede uma completa exploração honesta de aspectos importantes. O envolvimento sexual tende a nublar a mente da pessoa. E uma mente nublada não está inclinada a tomar decisões corretas.

Não é necessário fazer um “test drive” para descobrir se um casal é sexualmente compatível. Se você faz a sua parte e tem certeza que é intelectual e emocionalmente compatível, não precisa se preocupar sobre compatibilidade sexual. De todos os estudos feitos sobre o divórcio, a incompatibilidade sexual jamais foi citada como o principal motivo para as pessoas se divorciarem.

 

5. Você escolhe a pessoa errada porque não tem uma profunda conexão emocional com esta pessoa.

Para avaliar se você tem ou não uma profunda conexão emocional, pergunte: “Respeito e admiro esta pessoa?” Isso não significa: “Estou impressionado por esta pessoa?” Nós ficamos impressionados por uma Mercedes. Não respeitamos alguém porque tem uma Mercedes. Você deveria ficar impressionado pelas qualidades de criatividade, lealdade, determinação, etc.

Pergunte também: “Confio nesta pessoa?” Isso também significa: “Ele ou ela é emocionalmente estável? Sinto que posso confiar nele/nela?”.

 

6. Você escolhe a pessoa errada porque escolhe alguém com quem não se sente emocionalmente seguro.

Faça a si mesmo as seguintes perguntas: Sinto-me calmo, relaxado e em paz com esta pessoa? Posso ser inteiramente eu mesmo com ela? Esta pessoa faz-me sentir bem comigo mesmo? Você tem um amigo realmente íntimo que o faz sentir assim? Assegure-se que a pessoa com quem vai se casar faz você sentir-se da mesma forma!

De alguma maneira, você tem medo desta pessoa? Você não deveria sentir que é preciso monitorar aquilo que diz por que tem medo da reação da outra pessoa. Se você tem receio de expressar abertamente seus sentimentos e opiniões, então há um problema com o relacionamento.

Outro aspecto de sentir-se seguro é que você não sente que a outra pessoa está tentando controlá-lo. Controlar comportamentos é sinal de uma pessoa abusiva. Esteja atento para alguém que está sempre tentando modificá-lo. Há uma grande diferença entre “controlar” e “fazer sugestões.” Uma sugestão é feita para seu benefício; uma declaração de controle é feita para o benefício de outra pessoa.

 

7. Você escolhe a pessoa errada porque você não põe todas as cartas na mesa.

Tudo aquilo que o aborrece no relacionamento deve ser trazido à baila para discussão. Falar sobre aquilo que incomoda é a única forma de avaliar o quão positivamente vocês se comunicam, negociam e trabalham juntos. No decorrer de toda a vida, as dificuldades inevitavelmente surgirão. Você precisa saber agora, antes de assumir um compromisso: Vocês conseguem resolver suas diferenças e fazer concessões que sejam boas para ambas às partes?

Nunca tenha receio de deixar a pessoa saber aquilo que o incomoda. Esta é também uma maneira para você testar o quanto pode ficar vulnerável perante esta pessoa. Se você não pode ser vulnerável, então não pode ser íntimo. Os dois caminham juntos.

 

8. Você escolhe a pessoa errada porque usa o relacionamento para escapar de problemas pessoais e da infelicidade.

Se você é infeliz e solteiro, provavelmente será infeliz e casado, também. O casamento não conserta problemas pessoais, psicológicos e emocionais. Na melhor das hipóteses, o casamento apenas os exacerbará.

Se você não está feliz consigo mesmo e com sua vida, aceite a responsabilidade de consertá-la agora, enquanto está solteiro. Você se sentirá melhor, e seu futuro cônjuge lhe agradecerá.

 

9. Você escolhe a pessoa errada porque ele/ela está envolvido em um triângulo.

Estar “triangulado” significa que a pessoa é emocionalmente dependente de alguém ou de algo, ao mesmo tempo em que tenta desenvolver outro relacionamento. Uma pessoa que não se separou de seus pais é o exemplo clássico de triangulação. As pessoas também podem estar trianguladas com objetos, tais como o trabalho, drogas, a Internet, passatempos, esportes ou dinheiro.

Assegure-se de que você e seu parceiro estejam livres de triângulos. A pessoa apanhada em um triângulo não pode estar emocionalmente disponível por completo para você. Você não será a prioridade número um. E isso não é base para um casamento.

 

10. Você escolhe a pessoa errada porque não ora a Deus antes de tudo, e, para obter primeiro a resposta

Saber se é ou não, a vontade de Deus é o princípio para um casamento feliz. Esta é uma das decisões mais sérias de sua vida; será que Deus não quer fazer parte dela?

Claro que isto não vai garantir seu sucesso no casamento se as partes não estiverem decididas a deixar Deus comandar, com Sua palavra, esta união.

 

Razões erradas para se casar

1 – Vergonha por ainda estar solteiro (a)

2 – Porque todos da sua idade estão se casando

3 – Razão física: preciso de sexo

4 – Por pena da outra pessoa

5 – Pensando que a outra pode mudar depois do casamento

6 – Depois eu ganho ele (a) para Jesus

7 – Profecia carnal

8 – Por “coerências”: dinheiro, fama, carro, beleza, concorrência, etc.

9 – Por ter se antecipado no sexo

10 – Por vergonha (tempo, sexo, família, palavra, etc)

 

Perguntas para determinar seu preparo para o casamento

1 – Eu posso compartilhar?

2 – Eu posso dar de mim mesmo aos outros?

3 – Eu sou uma pessoa madura, podendo aceitar e respeitar o meu cônjuge?

4 – Estou pronto para entrar no matrimônio pelo resto da vida?

5 – Posso perdoar ou fico com raiva e não converso quando surgem desentendimentos?

6 – Estou disposto a cumprir meu papel (segundo a palavra de Deus) neste relacionamento?

7 – Receberei a família de meu cônjuge com alegria e amor?

8 – Terei prazer em tudo isto acima?

 

Sugestões de uma pessoa “perfeita” para o casamento

1 – Alguém que compartilhe seu amor por Jesus Cristo

2 – Alguém em quem você possa confiar totalmente

3 – Alguém que seja um exemplo na vida cristã para seus filhos

4 – Alguém que você ame tanto que queira dar de si somente para aquela pessoa

5 – Alguém com instruções e interesses similares com quem você possa compartilhar sua vida inteira

6 – Alguém que trate bem a sua família

7 – Alguém que possa cuidar de suas necessidades espirituais, emocionais e físicas.

Pr Lindomar Silva.

Comentário (1)

  1. Reply
    Anita says

    Adorei

Publicar um comentário